Londres: 3 dias na terra da rainha

Terra de castelos, rainhas e princesas, é muito fácil se encantar pela atmosfera londrina que mescla modernidade e diversidade com séculos de história e tradição. Devido ao alto custo de vida, Londres está longe de ser um conto de fadas, mas ainda assim a intensa vida cultural faz dela uma das melhores cidades da Europa.

Organizamos um roteiro de 3 dias na terra da Rainha, agrupando os pontos turísticos conforme as distâncias entre si. É claro que 3 dias são pouco para desbravar essa que é uma das mais cosmopolitas cidades do mundo, uma “Nova York européia”, mas foi o tempo que tinha para ficar na capital Inglesa, e garanto que deu pra ver muita coisa!

Também é muito importante considerar o custo de uma viagem para Londres, pois embora faça parte da União Europeia, o Reino Unido não utiliza o Euro como moeda oficial e, sim, a Libra Esterllina, que está custando quase 5 reais. Além disso, em média os preços são mais altos do que em outras cidades do Velho Continente. Mas a boa notícia é que a cidade oferece muitas opções gratuitas, o que ajuda bastante quem quer economizar. Exemplos dessas atrações são a National Gallery, o Museu Britânico e o Imperial War Museum.

Uma ótima opção para quem busca economizar na hospedagem e ficar bem localizado em Londres é o albergue Saint Paul, da rede HI, que conta com quartos privativos (ideais para quem não curte o conceito de dividir acomodação com estranhos) e ótimos preços, sendo muito mais barato do que qualquer hotel. É bem localizado (pertinho da Catedral de Saint Paul, daí seu nome), a poucos minutos da estação de metrô, sem falar no pessoal que é super simpático. Quando fui em 2006, fiquei num quarto compartilhado cujos triliches não eram muito bons, mas caso tenha interesse, é só mandar um email para o hostel e tentar quartos mais modernos.

Roteiro de 3 dias por Londres

1º dia

Uma boa opção para começar a desbravar essa enorme cidade é começar exatamente pela Catedral Saint Paul, que oferece uma bela vista de Londres e possui a segunda maior cúpula do mundo, atrás apenas da Basílica de São Pedro, no Vaticano. Foi nesse templo que se casaram a Princesa Diana e o Príncipe Charles.

saint paul

vista aerea londres

Depois de conhecer a Catedral, siga o mapa até o Tâmisa e vá beirando o rio até encontrar a Tower Bridge, umas das pontes mais bonitas e famosas da Europa. É um importante ponto turístico, sendo possível atravessá-la de carro, ônibus ou mesmo a pé.

tower bridge

tower bridge londres

A cara de cansada no 30º dia de mochilão é o melhor… rsrs

Bem, ao lado da ponte fica a Torre de Londres, o castelo mais antigo da Inglaterra, datado de 1078.  O conjunto arquitetônico é impressionante e chama atenção pelo ótimo estado de conservação. Não à toa faz parte do patrimônio da UNESCO. Já foi fortaleza, presídio e palácio real. Hoje abriga um museu com acervo que inclui armadura medievais, armas e diversos objetos interessantíssimos. Além disso, é na Torre de Londres que estão guardadas as jóias da Coroa. Não deixe de visitar!

Uma curiosidade da Torre de Londres é que lá estão os corvos, curiosos para uns, temidos por outros, mas sobretudo protegidos por decreto real. Diz a lenda que o império britânico acabará no dia em que os pássaros se forem, razão de todo o cuidado.

Depois desse passeio, opte entre pegar o metrô e ir direto à London Eye, do qual falaremos, ou atravessar a ponte a pé e continuar beirando o rio Tâmisa, até chegar ao Shakespeare’s Globe Exhibition, réplica idêntica ao teatro onde o escritor famoso atuou; e ao Tate Modern, museu de arte moderna que já foi cenário de alguns filmes rodados na cidade, e cuja entrada é gratuito, mesmo possuindo em seu acervo obras de Picasso, Matisse e Chagal.

shakespeare theater

A conhecida London Eye, enorme roda gigante instalada na beira do rio Tâmisa, garante uma bela vista panorâmica e a volta completa demora trinta minutos. Por conta de sua localização (em que do outro lado do rio estão o Big Ben e o Parlamento), a entrada pressupõe uma severa revista pelas autoridades, que verificam bolsas e usam detectores de metal em cada cabine, antes e depois que os turistas descem.

london eye

Por falar em segurança, Londres é uma das cidades europeias com maior vigilância, seja na entrada pela imigração do aeroporto, na entrada pela estação do Eurostar, em alguns atrativos turísticos ou simplesmente pelas ruas. É possível perceber o forte investimento no policiamento, sobretudo após o 11 de setembro, quando o  terrorismo se tornou uma ameaça constante.

2º dia

Prepare-se: sendo um dia de muitas atrações, é preciso andar muito (ou pegar o metrô) e ter  fôlego para ver tudo. Começamos pela Westminster Abbey, considerada o templo mais importante da Inglaterra onde, há séculos, ocorre no mesmo trono a coroação de todos os monarcas britânicos, e onde se deu, mais recentemente, o funeral da Princesa Diana.

abbey

Vizinho à abadia está o Palácio de Westminster, mais conhecido como Parlamento britânico, talvez o mais famoso ponto turístico de Londres. Devido a sua enorme importância histórica e política, o prédio é rigorosamente vigiado e a entrada para visitas só é autorizada com marcação antecipada e nos meses em que não há atividade política. Em razão de toda essa segurança, é bom ficar atento e não tentar entrar em hipótese nenhuma para fazer perguntas ou tirar fotos em seu interior, pois os guardas rapidamente se acautelam e agem sem qualquer formalismo inglês… Por outro lado, no mesmo prédio, está localizada a Torre do relógio, talvez o mais famoso cartão postal de Londres, mais conhecido como Big Ben.

parlamento londres

Próximo ao Parlamento fica a residência do Primeiro-Ministro, na Downing Street 10. A casa é facilmente reconhecida devido às fotos de políticos apertando as mãos em sua porta de entrada.

Em frente ao Buckingham Palace, residência oficial da família real, ocorre a troca da guarda (diariamente, no verão, às 11:30, em ponto, é claro!), momento em que uma multidão de turistas se aglomera para ver este tradicional evento. Para quem tiver interesse, é possível visitar o interior do Palácio, mas apenas entre os meses de julho a setembro. Ao pagar pela entrada fique atento aos preços, pois existem diferentes tipos de ingresso, do mais simples ao mais completo, e os preços variam  bastante.

Não deixe de passar e observar os parques Saint James park e Green park, antes ou depois de ir ao Palácio pois eles são ótimos exemplos de como os ingleses cuidam impecavelmente de seus gramados.

buckinham palace

troca da guarda londres

Depois de todos esses eventos, a idéia é almoçar na Piccadilly Circus, a praça mais movimentada da cidade, rodeada por bares, restaurantes, lojas de grife e atrações turísticas, como a famosa estátua de Eros. Os turistas tomam conta das ruas e o lugar é uma verdadeira festa! Aliás, no West End londrino fica a maior concentração de teatros do mundo, sendo possível comprar ingressos para musicais clássicos, como O Fastasma da Ópera e O Rei Leão. De uma forma ou de outra, quem está em Londres acaba chegando em Picaddily Circus. É meio como uma “Times Square” londrina.

A praça ainda fica próxima da Leicester Square e da Trafalgar Square, outros importantes e obrigatórios pontos de referência na cidade. Toda essa região é bastante movimentada e frequentada não só por turistas, mas também pelos londrinos. Nesta última fica localizada a National Gallery, um dos museus mais importantes da Europa, com acervo maravilhoso e bem conservado, e, o melhor, com entrada gratuita!

rua em lobdres 2

trafalgar square

Se estiver indo no verão, e com pouco tempo, talvez não queira passar tantas horas em museus. Mas olhando pelo lado positivo, além de serem gratuitos, são dos melhores museus que há, com obras de arte únicas e documentos históricos superinteressantes.  Então não desperdice essa oportunidade!

Para finalizar esse dia intenso e cheio de novidades visite o Apple market e o Covent Garden, outra área “cool” de Londres, também repleta de bares, restaurantes, lojas e teatros, além de muitos artistas de rua que fazem os turistas parar e se divertirem. É uma boa opção para quem quiser fazer uma refeição antes ou depois de ir ao teatro. Tanto de dia como à noite, o lugar é animado e movimentado. Aproveite também para ver a feirinha de artesanato que ocorre no interior do prédio. Foi uma boa surpresa encontrar uma brasileira que vendia bijuterias numa das barraquinhas!

applemarket

 3º dia

Nada como começar o dia indo ao Hyde Park, o “Central Park” londrino (e algumas partes do parque realmente se parecem com o parque de Nova York), onde os moradores adoram deitar sobre a grama para pegar sol, praticar esportes ou simplesmente deixar o tempo passar. É um parque no centro de Londres que possui uma boa infra-estrutura, com banheiros públicos, restaurantes e área com pedalinhos. Nesse dia, vale a pena alugar uma bicicleta para passear pela cidade.

Outra boa idéia é conhecer o Madame Tussauds de Londres, o museu  de cera mais famoso do mundo, com sede em várias cidades. Como o de Londres foi  0 primeiro deles, tem um acervo bem grande, e dos que já visitei considero o melhor. Fica na Marylebone Road, bem perto da famosa Baker Street (sim, aquela do Sherlock Holmes!). Basta descer na estação do metrô Baker Street. Aliás, pertinho do museu de cera você vai encontrar a estátua do próprio Sherlock Holmes. Elementar, meu caro leitor!

familia real de cera

Finalmente, o imperdível British Museum, a que nos referimos no início do post, é realmente uma atração e tanto. Como dissemos lá estão dois documentos de grande valor histórico:  a Carta Magna, um título assinado pelo rei em 1215 que se tornou a Constituição do País, sendo considerado o fundamento do constitucionalismo no mundo; e a Pedra Roseta, um bloco de pedra cuja escrita permitiu a compreensão e “tradução” dos hieróglifos egípcios, até então indecifrados. Esses são só breves exemplos do que há por descobrir!

museu londres

pedra roseta londres

De graça você poderá realizar vários passeios pela cidade, a pé, aproveitando para curtir o clima e apreciar a vista. Não deixe de tirar uma foto na famosa cabine vermelha de telefone; e de conhecer o Parlamento e o Big Ben, assim como o Covent Garden região destinada a compras, artistas de rua, bares e restaurantes.

Claro que uma cidade cosmopolita como Londres sempre terá muito a oferecer, mas nesses 3 dias intensos de andanças, conseguimos visitar seus principais pontos turísticos e culturais. Londres será sempre uma boa idéia e, pela proximidade com a Europa continental, é fácil pegar um voo para Paris, Barcelona, Viena ou qualquer outra capital. Mas para uma experiência diferente, e até mais barata, vá no trem-bala EUROSTAR, atravessando sob o Canal da Mancha. O trecho Londres-Paris dura 2:20h e o preço pode ser mais em conta do que o valor de uma passagem aérea. Mas isso é outra história e rende outro post.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *