Arredores de Komodo: conheça Kanawa, Padar e Pink Beach

Se você tem vontade de conhecer a Indonésia de verdade, vale a pena incluir uma visita ao Parque Nacional de Komodo e observar os impressionantes dragões bem de perto — e, estando lá, aproveite para conhecer algumas ilhas paradisíacas que ficam próximas, como Kanawa e Padar, além da famosa Pink Beach, na própria ilha de Komodo.

O ideal é organizar os passeios de acordo com a distância das ilhas e deixar combinado com o barqueiro todos os locais de paradas. O roteiro que fizemos nos 3 dias em que estivemos hospedados em Labuan Bajo incluiu lindas praias, trekking, snorkeling, descanso e até uma apresentação de dança típica.

Como no primeiro dia voamos de Bali para Labuan Bajo, na ilha de Flores, deixamos as malas no hotel e fomos direto para Rinca Island, uma das portas de entrada para visitar Komodo, a terra dos dragões. Almoçamos no próprio Parque Nacional e depois partimos em um trajeto marítimo de 30 minutos até Kanawa Island, uma ilha que parece cenário de filme, de tão perfeita. A praia é linda e agradável, com água transparente e morna, ideal para descansar.

kanawa-island-indonesia-blog-na-duvida-embarque-2-small kanawa-island-indonesia-blog-na-duvida-embarque-3-small kanawa-indonesia-na-duvida-embarque-2-small kanawa-indonesia-na-duvida-embarque-3-small kanawa-island-indonesia-blog-na-duvida-embarque-1-small
a praia, há espreguiçadeiras com barraca, local para comprar bebidas e petiscos, além de aluguel de equipamentos. Fizemos snorkeling e vimos milhares de peixes e estrelas do mar. Além disso, a praia é super-reservada e sossegada. Uma delícia…

Pra terminar o dia, relaxamos na piscina do hotel e jantamos em um restaurante local, já de volta à ilha de Flores.

hotel-la-prima-labuan-bajo-indonesia-small labuan-bajo-restaurant-treetop-small

No segundo dia, fomos às ilhas Padar e Komodo, e, à tarde, conhecemos Pink Beach.

Padar Island é a terceira maior ilha do Parque Nacional de Komodo, porém não é mais habitada por dragões, que desapareceram de lá gradualmente por falta de alimento e também devido à caça ilegal. A ilha atrai muitos turistas que gostam de fazer trekking e apreciar a bela paisagem do local.

O trekking dura aproximadamente uma hora até o ponto mais alto e tem um nível de dificuldade mediano. O sol forte e o calor tornam a subida um pouco mais cansativa, mas todo o esforço é recompensado ao chegar lá no topo.

padar-indonesia-blog-na-duvida-embarque-2-smallpadar-indonesia-blog-na-duvida-embarque-3-smallpadar-indonesia-blog-na-duvida-embarque-8-smallna-duvida-embarque- wonderful indonesiapadar-island_na-duvida-embarque-small

Certamente algumas das fotos mais bonitas da viagem pela Indonésia são de Padar Island. Vou guardar esse visual pra sempre na minha memória, assim como todos os amigos que fiz por lá! Na foto, Fiona @fiona.callaghan e Yuki @yukianggia, duas blogueiras de viagem que fazem um trabalho incrível de divulgação do país.

Depois do trekking, fomos até a principal entrada do Parque Nacional, na ilha de Komodo, e de lá, mais 30 minutos de barco até Pink Beach, em outra face da mesma ilha. Além de todas as maravilhas naturais e culturais da Indonésia, também fica lá uma das 7 praias de areia rosa do mundo, e é bem interessante observar o efeito da onda na costa, que acentua a cor rosa ao molhar a areia.

pink-beach-indonesia-blog-na-duvida-embarque-1-small pink-beach-indonesia-blog-na-duvida-embarque-small

A cor rosa é originária da mistura de minúsculas e infinitas conchas vermelhas, formando um espetáculo realmente muito raro. Essa praia também é bastante reservada e recebe alguns poucos barcos de turistas.

pink-beach-indonesia-blog-na-duvida-embarque-4-small

No terceiro e último dia em Labuan Bajo, fomos assistir à Caci Dance, uma dança muito tradicional que ocorre em um vilarejo, localizado na mesma ilha de Flores, chamado Melo Village.

A dança típica é um ritual a que poucas pessoas têm o privilégio de assistir, já que os locais formam um grupo reservado que só recebe poucos turistas. Para mim, foi uma honra poder entrar no vilarejo deles para conhecer um pouco sobre seus hábitos e costumes. 

Fomos recepcionados pelos moradores, sempre muito gentis e amáveis, que nos presentearam com o lenço que estou usando na foto (guardado, claro, com o maior carinho), nos convidaram a entrar, descalços, na sala de casa, e conosco brindaram com uma bebida típica (tipo uma cachaça, bem forte). Depois os homens nos explicaram sobre seus rituais de música e dança, fizeram as apresentações — uma mistura de bailado e lutas teatralizadas (que lembram nossa capoeira) —, e, ao final, as mulheres da vila até nos convidaram para dançar com elas. Além de divertido, uma grande honra!

Para ver um trecho da Caci Dance em movimento e com som, assista ao vídeo que fizemos dos 3 dias em que estivemos por lá.

Às vezes as pessoas viajam com tanta pressa que esquecem de olhar e perceber o local onde estão, quem são as pessoas que moram ali, como vivem e como são felizes com uma vida simples. É sempre emocionante quando conhecemos pessoas assim, e a despedida nos deixa um pouco tristes, por talvez nunca mais podermos revê-las…

caci-dance-indonesia-blog-na-duvida-embarque-4-smallcaci-dance-indonesia-blog-na-duvida-embarque-2-smallcaci-dance-indonesia-blog-na-duvida-embarque-6-small caci-dance-indonesia-blog-na-duvida-embarque-1-small caci-dance-indonesia-blog-na-duvida-embarque-3-small

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *