Montmartre, do Sacré Coeur ao Moulin Rouge

Se um dos dias mais aguardados pelos turistas em Paris é o dia de conhecer o Arco do Triunfo, a Avenida Champs-Élysées e o Museu do Louvre, como disse em outro post,  posso dizer que um dos dias mais surpreendentes é a visita ao bairro Montmartre.

Talvez esse seja o bairro mais charmoso da cidade, cheio de personalidade, e sem dúvida o mais boêmio, pela presença de cabarés e eternizado em tantas pinturas e músicas. Seus principais e mais famosos pontos turísticos são, contraditoriamente, o Moulin Rouge e a Basílica do Sacré Coeur, construídos na mesma época, porém há muito mais a explorar, para quem tiver tempo e disposição.

Localizado no alto de uma colina, no 18º arrondissement, o bairro exige fôlego para subir suas escadarias e ladeiras, mas com certeza todo esforço é recompensado com a linda vista da cidade de Paris. Quando estava pesquisando hospedagem em Paris, deparei-me com essa foto do site Airbnb e precisei compartilhar. Não é lindo? Só de olhar eu já fico com vontade de passar uma tarde inteira por lá…

0_4200_0_2800_one_Montmartre_Lagarde_13

A primeira vez que fui a Montmartre estava muito frio, ventando e chovendo e não foi uma boa ideia porque a vista da cidade era nenhuma. Ficamos bem molhados e só víamos a neblina e a chuva. Como era nosso último dia na cidade decidimos ir assim mesmo, mas hoje não faria o mesmo. Então, #ficaadica.

Por que passar um dia em Montmartre

A maior parte dos turistas vai até o bairro para conhecer a Basílica do Sacré Coeur (ou Sagrado Coração), que foi construída em mármore travertino, e por causa de sua tonalidade branca confere um efeito incrível. O estilo romano-bizantino contrasta com as igrejas da Idade Média que praticamente imperam na cidade, e dá ainda mais destaque para esse igreja localizada no ponto mais alto de Paris. De longe, suas cúpulas se destacam na paisagem e quase vão nos guiando até lá.

O interior da Basílica também é lindo, com vários mosaicos e vitrais, mas não pode ser fotografado nem filmado (há várias placas alertando para isso e funcionários fiscalizando), e há uma estátua de São Pedro, parecida com a da Basílica de São Pedro, que os turistas também tocam em busca de uma benção. Se você ainda não foi ao Vaticano, aproveite para fazer seu pedido aqui, literalmente aos pés do Santo.

sacrec coeur Paris Na dúvida embarque (3) (Small)

sacrec coeur Paris Na dúvida embarque (2) (Small)

A Basílica que pode ser visitada todos os dias das 6 às 22 hs, tem entrada é gratuita e permite a entrada de turistas durante as missas, mas é exigido silêncio. Além disso, para preservar o silêncio, também não há tours guiados mas, em compensação, é possível baixar o Tupuy, um áudio-guia gratuito, indicado no próprio site oficial da atração.

Para subir ao domo da Basílica é preciso encarar 300 degraus e pagar uma tarifa. A subida se dá pelo exterior da fachada esquerda da igreja. Depois de subir a escadaria e ter uma vista deslumbrante de Paris, é hora de voltar e começar a explorar as outras atrações de Montmartre. Para baixo, todo santo ajuda!

Para ser mais específica, a apenas dois minutos de caminhada da Basílica do Sacré Coeur fica a Praça du Tertre, onde rola a agitação caraterística do bairro, com artistas de rua expondo seus trabalhos (sobretudo pinturas, desenhos e caricaturas), cafés e restaurantes recebendo os turistas para a famosa “pause-café”.

Não deixe de andar pelas ruas do bairro apreciando sua atmosfera artística. Há feirinhas de artesanato e antiguidades, e as lojas também são uma grande atração: antiquários, ateliês com obras de arte e souvenirs atraem os olhares das multidões de turistas que circulam pelas ruas diariamente.

Montmartre Paris Na dúvida embarque (4) (Small)

Montmartre Paris Na dúvida embarque (3) (Small)

0_4200_0_2800_one_Montmartre_Lagarde_16

Depois de aproveitar a Place du Tertre, caminhe mais dois minutos e estará no Espaço Salvador Dalí, um local dedicado a expor algumas de suas obras surrealistas, como o famoso relógio que derrete e o sofá em formato de boca. Ainda não fui, mas está em minha lista.

“Dalí” (desculpem o trocadilho,mas foi irresistível), siga até um o mais novo point do bairro, o Muro do eu te amo ou (Le Mur des je t’aime), construído no ano 2000, para ser um local dedicado ao amor. Nada mais propício para a cidade de Paris nesse momento. Assim que foi inaugurado, os turistas adoraram a idéia de procurar seu idioma no muro, onde a frase está escrita em mais de 300 línguas. Fica meio escondido, na Place des Abbesses.

Depois de tanto amor, siga pela própria Rue des Abbesses e vire na Rue Lepic até o Boulevard de Clichy, onde então você chegará ao famoso Moulin Rouge, um cabaré fundado em 1889 e que ainda hoje atrai espectadores (muitos deles turistas) em busca do famoso espetáculo de cancan.

Acho que ninguém melhor do que o artista Toulouse Lautrec conseguiu retratar a essência desse lugar, através das expressivas pinturas de dançarinas nos cabarés e a vida noturna de Montmartre. Ele próprio um boêmio, embora rico e de família nobre, morreu muito jovem, aos 36 anos, mas não sem antes deixar sua arte (e Montmartre) imortalizada, tendo sido o precursor da Art-Nouveau. Toda vez que se deparar com uma pintura de cabarés e dançarinas, a probabilidade de estar em frente a um Toulouse Lautrec é grande.

Montmartre Paris Na dúvida embarque (2) (Small)

Além do Moulin Rouge, que é o cabaré mais famoso, há o Lapin Agile, que até passa despercebido pois é uma casinha pequena de esquina, na Rue des Saules nº 22; e o Moulin de la Galette, uma taberna que foi se transformando ao longo do tempo e que hoje é um restaurante. O local, retratado em uma clássica pintura de Renoir, ainda hoje é bastante fotografado pelos turistas. Fica na Rue Lepic nº 83.

800px-Pierre-Auguste_Renoir,_Le_Moulin_de_la_Galette

Para quem tiver mais tempo na cidade ou estiver hospedado no bairro, outra opção é conhecer o Musée de Montmartre com os Jardins Renoir. No acervo desse museu, obras de artistas impressionistas (pinturas, gravuras, desenhos e manuscritos) e o jardim que foi recriado como nas pinturas de Renoir, que retratou o local em diversas oportunidades, enquanto morou no local.

Musée_de_Montmartre_-_maison_du_Bel_Air

Montmartre é uma boa ideia não só pelos atrativos turísticos do bairro, mas também porque oferece hospedagem relativamente mais barata, quando comparado com outros locais da cidade. Existem diversos apartamentos ou studios para alugar por ótimos preços. Se estiver pensando em passar uma temporada na cidade luz, dá uma olhadinha nesse link.

E não esqueça de fazer seu seguro viagem.

siga no instagram

0 comments on “Montmartre, do Sacré Coeur ao Moulin Rouge

3 Pings/Trackbacks for "Montmartre, do Sacré Coeur ao Moulin Rouge"

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *