Sem crise: 15 dicas para continuar viajando

Em épocas de crise econômica como a atual, é claro que o turismo acaba sendo afetado como qualquer outro setor da economia. Porém, ainda que diminua o número de turistas, as viagens nunca deixarão de acontecer. Sempre há pessoas em busca de novos destinos e querendo desbravar esse mundão, não é verdade? O que ocorre, na verdade, é uma adaptação do limite de despesas de cada um. Afinal, a conversão de moeda acaba influenciando muito – quando não determinando o próximo destino que vamos conhecer.

Nesse post vamos dar 15 dicas de como se adaptar a essas crises que culminam em variações cambiais bruscas e, assim, como descobrir a forma de fazer viagens diferentes, sem nunca – nunca mesmo! – deixar de viajar.

É possível identificar algumas formas de tornar uma viagem mais econômica:

1- Se você não tem passaporte ou se o seu não estiver na validade, não escolha países que o exijam; dessa forma você evita um gasto desnecessário pois, afinal, existem muitos lugares para conhecer sem que esse documento seja necessário;

2- Também não escolha países que exigem visto, pois isso demandaria ainda mais gastos, principalmente porque as tarifas são muitas vezes calculadas em uma moeda mais valorizada do que o Real;

3- Pesquise quais são os destinos mais baratos em relação ao Real, com menos atrações pagas (e umas até gratuitas!) e mais atividades ao ar livre. Nesse ano de 2015, Portugal e República Tcheca, por exemplo, estavam valendo a pena pois são países com baixo custo de vida. Dessa forma, transporte, alimentação e atrações ficam bastante em conta;

4- Ao invés de comprar passagem aérea, tente voar usando suas milhas do cartão de crédito. Para isso, concentre todos seus gastos na função crédito – e isso pode ser feito desde já. O uso de milhas, aliás, é um dos assuntos que mais interessam aos viajantes e por isso vamos fazer um post só sobre elas!

5- Na hora de escolher a hospedagem, pense em todas as opções que saem mais em conta: bed and breakfast, albergue, pousadas, ou mesmo hotéis mais distantes ou menos cotados, bem como casa de amigos e parentes. Há diversos sites agregadores que oferecem muitas opções de preço é só pesquisar;

6- Não viaje para lugares que atraem os turistas para fazer compras. Seu bolso agradece! Pense apenas em se divertir e conhecer o local, não em comprar;

7- Faça um downgrade, também para destinos menos custosos. Assim, se estava acostumado a viajar pela Europa ou para os Estados Unidos, comece a viajar pela América do Sul; se viajava pela América do Sul, cogite viajar pelo Brasil; se viajava pelo Brasil, viaje para lugares mais próximos de sua casa, seja de carro ou de ônibus;

8- Agora é a hora de nós, brasileiros, viajarmos dentro de nosso próprio país. Quando o Dólar estava com a cotação mais baixa não valia muito a pena viajar internamente, mas agora é o momento mais propício. Convenhamos: o Brasil tem lugares lindos e que valem a visita, incluindo Patrimônios da UNESCO e até uma das 7 maravilhas naturais do mundo, as Cataratas do Iguaçu;

9- Fique atento à estação do ano no destino escolhido. Se não tiver roupas e sapatos para um inverno rigoroso, nem para quem pedir emprestado, deixe para conhecer a neve em outro momento. Aproveite o verão no outro hemisfério e assim economizará nos casacos e botas;

10- Se ainda assim você quiser muito conhecer a Europa, pense em fazer um mochilão, que proporciona hospedagem barata em albergues, transporte coletivo e alimentação mais em conta em lanchonetes, mercados ou cozinhando na própria hospedaria;

11- Informe-se a respeito de passes promocionais que dão direito à atrações e transportes públicos gratuitos (ex: Innsbruck Card, I Amsterdam Card, bem como passes de trem regionais como o Euregio); se for estudante leve a sua carteira de estudante, se for idoso faça valer seu direito a meia entrada e demais descontos.

12- Pesquise muito antes de fazer o câmbio, pois você pode economizar muitos Reais nessa operação, apenas por pesquisar. Ligue para várias casas de câmbio, veja se cobram taxas e compare até chegar à melhor opção. Normalmente aeroportos não são o melhor lugar para fazer a operação. Pesquise também nos bancos, e se vale a pena carregar cartões pré-pagos. Ultimamente, com o aumento do Dólar, o Visa Travel Money (e similares) tem sido a melhor opção, pois a conversão está melhor do que em casas de câmbio; por outro lado, paga-se IOF e uma taxa pela operação.

13- Nunca esqueça de ler as regras sobre bagagem para evitar surpresas com eventual excesso (quantidade, peso ou forma). Tentar despachar malas acima do peso ou do volume permitidos pode gerar custos extras e até mesmo o não-embarque da bagagem. Sim! Existem companhias (principalmente as low costs) que vedam terminantemente bagagens fora das especificações. E não adianta chorar ou querer pagar a mais: essas empresas simplesmente não permitem o embarque com excesso de bagagem. Fique atento!

14- Se estiver indo viajar para algum local onde seja necessário alugar um veículo, preste atenção a essa dica! Alguns cartões de crédito já dão direito a seguro de carro, não sendo preciso pagar pelo serviço extra que a locadora oferece. Assim, se você reservar e pagar a locação com esse cartão de crédito, recusando os seguros CDW/LDW oferecidos, você passa a ter direito a uma proteção contra roubos ou danos que o veículo possa vir a sofrer. O mesmo vale para assistência médica no exterior: vale conferir se o seu cartão oferece esses benefícios.

15- Por falar em assistência médica, é preciso sempre contratar o seguro-saúde mais adequado. Para esportes radicais, é fundamental contratar a cobertura que abranja a atividade que você for fazer, pois o seguro simples não cobrirá uma perna quebrada se você tiver ido esquiar ou escalar o Everest, por exemplo.

Talvez pareçam bobagem, porém esses pequenos detalhes podem fazer toda a diferença e sabemos que, de economia em economia, você pode acabar viajando até mais do que fazia antes. Já parou pra pensar nisso?!

Se, ainda assim, a viagem estiver mesmo fora de seu orçamento e você não estiver disposto a assumir o radical perfil do “mão-de-vaca”, espere mais um pouco, tenha paciência, vá planejando e principalmente juntando dinheiro, e na hora certa ela irá acontecer.

O importante, mesmo, é não deixar de sonhar!

0 comments on “Sem crise: 15 dicas para continuar viajando

1 Pings/Trackbacks for "Sem crise: 15 dicas para continuar viajando"

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *