Todos os caminhos levam a …Praga!

Engraçado como nosso imaginário sobre o Leste Europeu e sobre como o regime soviético interferiu nessa parte da Europa muda rapidamente ao nos depararmos com pessoas falando inglês, tomando coca-cola e usando seus smartphones livremente. Definitivamente Praga é uma daquelas cidades que conseguem agradar a todos, instantaneamente….

Para chegar não há vôo direto do Brasil. Fomos até Frankfurt pela TAM e de lá pegamos um vôo da Czech Airlines para Praga.

avião czech airlines (Small)

Muitas pessoas ainda ficam em dúvida sobre ir ou não ao Leste Europeu. Posso garantir que vale a pena e não tem risco de cair em nenhuma roubada, desde que se fale inglês pois o idioma deles é impossível. Há alguns anos (2006) um agente de viagens me disse que eu não deveria ir ao Leste Europeu pois não havia placas de sinalização em inglês e que as cidades ainda não estavam prontas para o turismo.

Hoje acho que é o contrário: já houve uma invasão de turistas, tudo está bombando por lá e essa é a hora de se encantar por cidades que ficaram tanto tempo escondidas pelo comunismo.

Decidida a desbravar essa parte da Europa, organizei um roteiro de 24 dias que passava por quatro países: República Tcheca, Hungria, Eslováquia e Áustria. Todos os países foram agradáveis surpresas, não apenas pela História, arquitetura e belezas naturais, mas sobretudo pela hospitalidade: sempre simpáticos e muito receptivos.

O título de cidade dourada, com suas cem cúpulas reluzentes, faz de Praga um dos principais destinos turísticos da Europa. Seu centro histórico tombado como patrimônio da Unesco, sua história e charme únicos  fazem dela, talvez, a melhor cidade europeia. Sim, confesso que é difícil admitir pois Paris é minha queridinha. Foram dias quentes para o mês de agosto, 32º/34ºC, o que não é muito comum, mas nada melhor para uma carioca do que uma massa de ar quente… rsrsrs

vista do alto da torre da ponte carlos (Small)

A parte turística da cidade pode ser praticamente toda conhecida a pé, não havendo muita ou nenhuma necessidade de usar transporte público. Apenas no dia de visitar o castelo recomenda-se usar o tram para chegar na parte alta da cidade.

Geograficamente o rio Vltava divide a cidade em cidade baixa (Malá Strana), onde está o castelo de Praga e cidade antiga (Staré Mesto), definindo a paisagem da cidade e sendo uma atração à parte no verão. É possível fazer passeios de barco, andar de pedalinho ou apenas passear nas margens do rio, que no verão fica bem movimentado.

rio Vltava (Small)

O único inconveniente do Leste Europeu – não é um problema exclusivo de Praga – é o cigarro. Eles fumam muito e em todos os lugares (inclusive na parte interna dos restaurantes). Então se você não gosta de cigarro e fumaça prepare-se: vai ter que ser muito tolerante por aqui. Uma prática abolida em Paris ainda está em pleno vapor no Leste, literalmente!

Mas a pergunta que todos fizeram quando voltei: É bonita mesmo? Sim, muitíssimo! E quantos dias ficar em Praga? Embora tenha ficado 4 dias (pois estava chegando do Brasil depois de mais de 30 horas de trajeto) acho que 3 dias são suficientes pra conhecer os principais pontos turísticos e ainda repetir! Nós passamos pela Ponte Carlos e pela Praça da Prefeitura todos os dias; é quase inevitável, no bom sentido. Organizei então um roteiro de 4 dias, mas tudo sempre depende dos interesses pessoais. Tem gente que não gosta de entrar em muitas igrejas e museus e, sim, apenas passear… mas já aviso que na Europa é bem difícil não incluir essas atrações no roteiro.

Linda e encantadora, Praga em 4 dias

1º dia

 O mais interessante é começar o passeio pela praça da antiga Prefeitura, ponto central da cidade onde os turistas se aglomeram diariamente em busca de restaurantes e pontos de interesse turístico. O prédio da antiga Prefeitura data do século XIV e foi declarado Patrimônio Cultural da Unesco, sendo um dos prédios mais bonitos do centro histórico de Praga. É possível visitar a capela gótica e subir à torre do relógio, de onde se tem uma vista maravilhosa da cidade e sobretudo da Igreja de Nossa Senhora diante do Týn. Além disso, de hora em hora surgem no relógio astronômico os 12 apóstolos, em movimento. As esculturas são muito bonitas e merecem ser apreciadas. Durante a 2ª Guerra parte da torre e do relógio astronômico foram atingidos, mas reconstruídos com base em fotos e relatos.

praga do alto (Small)

praça principal em Praga (Small)

siga no instagram 2

relógio astronomico Praga (Small)

Ainda na praça, onde havia um mercado no século XI, é possível observar casas seculares, monumentos e igrejas que fazem parte da história local. Aliás, a Igreja da Virgem Maria diante de Tyn é vista da praça, mas sua entrada fica num beco bem pequeno chamado Via Musica, por trás dos restaurantes que foram construídos na frente. Passei duas vezes pelo lugar procurando a entrada.

O fluxo de turistas provavelmente te levará até a Ponte Carlos, uma das mais bonitas de toda a Europa. Construída entre os anos de 1357 a 1402 foi a primeira a ligar os dois lados da cidade. Ao longo do tempo foi recebendo estátuas de Santos mas para preservação, as originais foram colocadas em museus e réplicas assumiram seus lugares (dizem que tocar São João garante sorte).

ponte Carlos em Praga (Small)

Charles Bridge Praga (Small)

A ponte está sempre lotada de turistas e artistas de rua expondo seu trabalho, o que torna bem difícil (pelo menos no verão) conseguir fotos maravilhosas, tipo cartão-postal (a menos que você acorde as seis da manhã). Na minha opinião, o melhor ângulo para apreciar a ponte não é estando sobre ela; é subindo os 138 degraus da Torre da ponte da cidade velha (Old Town Bridge Tower), uma das estruturas góticas mais impressionantes da Europa (custa 90 Kc).

vista da charles bridge do alto (Small)

A Václavske Námestí é uma larga avenida com lojas, galerias, bares, hotéis, prédios históricos, igreja e a estátua do príncipe Venceslau. No final da avenida está o Museu Nacional (infelizmente fechado para reformas, mas conta com rico acervo sobre a história do país e história natural). Só não recomendo à noite pois o ambiente muda um pouco e há algumas pessoas oferecendo e usando drogas. Passear também pelo agitado calçadão Na Príkope, até a torre de pólvora, pórtico para o bairro velho.  

museu nacional (Small)

2º dia

O segundo dia, depois de descansar do vôo e se ambientar na cidade, pode ser todo em Malá Strana, ou melhor dizendo, do lado do castelo. Aliás, o passeio até o Castelo de Praga é o principal atrativo da cidade (para chegar utilize o tram, 22, 23 ou 9). O ideal é chegar cedo para conseguir o áudio-guia pois se a cidade estiver cheia não há áudio guias suficientes (não consegui). Não deixe de passar pela rua Nerudova, cheia de palácios e lojas, abriga a maior concentração de placas históricas das casas, que antes de serem numeradas eram identificadas por símbolos ( 2 sois, chave de ouro, cisne branco, cavalo de são Venceslau, 3 lírios, roda dourada, 3 violinos, lagosta verde e assim por diante).

É possível escolher entre um ticket mais ou menos abrangente, com preço variando de 250 a 350 kc. O local é, na verdade, mais do que um castelo. É um complexo que abriga igrejas, torres, museus, pátios, jardins, ruas, casas históricas e o Palácio Real. Neste local também está situada a residência do Presidente da República.

vista do alto do castelo de praga (Small)

O castelo de Praga é considerado o maior símbolo do Estado Tcheco e o mais importante monumento histórico nacional. Está listado no Guinness Book como o maior e mais coerente complexo de castelo do mundo e como dissemos no início do post todo o complexo é tombado pela Unesco. Escolhemos os principais atrativos: a Catedral de São Vito, o antigo palácio real apesar da enorme importância histórica possui um acervo pequeno (na ala aberta à visitação) mas conta sobre os julgamentos que aconteciam, sobre o incêndio que atingiu parte do palácio se estendendo até a catedral, a basílica de São Jorge, onde está a Bohemia National Gallery, a Golden Lane, rua onde moraram os trabalhadores do castelo e onde na casa nº 22 Franz Kafka morou anos depois e Torre da pólvora.  O nome Golden Lane está relacionado aos alquimistas do século XVI que lá moravam e tentavam recriar ouro.

catedral de São Vito (Small)

são jorge (Small)

golden lane praga (Small)

Fora da área do castelo mas próximo a ele fica o Convento Loreto, imponente prédio em estilo barroco apresentando tesouros do século 16 ao 18. Uma das réplicas mais fiéis da Santa Casa original de Loreto, Itália, modesto chalé onde nasceu Maria e onde o anjo Gabriel anunciou que ela iria conceber o Filho de Deus, levado da terra Santa para a Itália no século 13.

Há também a Igreja de São Nicolau (60 kc), onde Mozart se apresentou e onde ocorrem concerto às 18 horas – reservando até as 13 horas paga-se mais barato. É possível subir na torre para apreciar a vista, mas acho melhor subir apenas na torre do relógio astronômico e na torre da Ponte Carlos.

Pra mim, uma das igrejas mais bonitas foi a Igreja de Nossa Senhora Vitoriosa, onde está a estátua do Menino Jesus de Praga, a quem são atribuídos milagres e diante do qual muitos fiéis se ajoelham e rezam a espera de um milagre. Muito boa a energia nessa igreja. Claro que a imagem virou um bom souvenir.

menino jesus (Small)

menino jesus praga (Small)

 3º dia

O terceiro dia foi para descobrir sobre a história dos judeus na região da Bohemia e Morávia, um dos melhores passeios pois aprendemos muito sobre os judeus de Praga, seus costumes e tradições. Nunca tinha ido a uma sinagoga e achei todas interessantes e cada uma conta uma história mais bonita que a outra. O passeio ao bairro judeu ou complexo judaico Josefov é imperdível. Datado do século 13 é o conjunto de prédios e monumentos judaicos mais bem resguardados da Europa. O próprio Adolf Hitler decidiu não bombardear e manter o quarteirão judaico de Praga como um “museu da raça extinta”, o que felizmente não aconteceu.

Os judeus de Praga sempre sofreram com o antissemitismo, desde o século 10, quando chegaram à cidade, havendo vários massacres, inclusive dentro de sinagogas. E na 2ª guerra foram confinados em um gueto, em Terezín (próximo a Praga), e depois levados ao campo de concentração.

Ao longo dos séculos o bairro teve diversas construções destruídas, mas felizmente as principais estão intactas. O complexo judaico inclui 4 sinagogas, um museu- sinagoga e o antigo cemitério judaico (480 kc, mas para tirar fotos no interior dos prédios é preciso pagar 70 Kc e é recomendado o uso do Kippar para os homens por 5 Kc). Não deixe de pegar o áudio-guia.

A principal sinagoga, Pinkas (1535), é na verdade um memorial às vítimas do Holocausto. Tem em suas paredes os nomes de 77.297 judeus mortos em campos de concentração. No segundo andar há uma exposição de desenhos de crianças judias que ficaram em Terezín antes de serem levadas aos campos de concentração, também mortas na guerra.

pinkas sinagogue (Small)

Já a Old New Synagogue é a mais antiga da Europa em funcionamento desde o final do século 13. É um dos prédios góticos mais bem conservados de Praga. Por diversas vezes ao longo da história os judeus se refugiaram e buscaram proteção nessa sinagoga.

old sinagogue (Small)

O museu-sinagoga é a Maisel Synagogue, com acervo que inclui pinturas, documentos e objetos judaicos de muita importância para a comunidade pois contam a história dos judeus nas regiões da Bohemia e da Morávia.

museu sinagoga (Small)

Mas de todas, a Sinagoga Espanhola foi a mais diferente e bonita construída em estilo mouro, uma sinagoga meio “árabe”, de certa forma.  Nesta sinagoga também é contada a história dos judeus da Bohemia e Morávia, através de cartas, fotos e documentos históricos. Construída em 1868 a fachada é uma cópia do Templo Leopoldstadter construído em Viena em 1853. É famosa por possuir um interior muito elaborado e rebuscado. Durante a 2ª guerra os alemães usaram a sinagoga como depósito das propriedades tomadas dos judeus.

sinagoga espanhola (Small)

spanish sinagogue (Small)

sinagoga espanhola interior (Small)

4º dia

No último dia fomos ver a arquitetura do Dancing House, prédio que parece estar dançando ou desabando e é o maior exemplo do design pós-moderno. No topo do prédio está um dos restaurantes mais famosos da cidade Ginger & Fred, que oferece cozinha francesa e internacional, um bom cardápio de vinhos e um a bela vista de Praga.

predio design pos moderno (Small)

design pos moderno (Small)

Ali pertinho fica a cervejaria mais antiga de Praga, de 1499: Pivovar U Fleku.  É realmente uma taberna tcheca. Muito interessante conhecer. Boa comida e cerveja! É possível visitar o museu e fazer um tour em que eles mostram todo o processo de fabricação da cerveja. A República Tcheca é muito famosa e respeitada no mundo da cerveja por ter sido lá que surgiu a cerveja tipo Pilsen.

cervejaria (Small)

cervejaria de 1499 (Small)

comida na cervejaria (Small)

Para quem tiver tempo e interesse ainda é possível ir ao Museu do Mozart, palacete onde se hospedava em visitas a Praga; ao Museu Franz Kafka, ao Museu do comunismo, ao Museu Medieval de Instrumentos de tortura ou ir ao parque Riegrovy Sady, popular entre os moradores da cidade.

Outra idéia bastante atrativa no verão é curtir o rio Vltava, seja de pedalinho, caiaque ou fazendo um mini cruzeiro de barco. Dá pra escolher entre o passeios de 1 ou 2 horas (11/ 17 euros) ou o Prague by Night, com jantar incluído (36 euros).

Onde ficar: quando for escolher um hotel só se preocupe em ficar próximo ao centro histórico e não vai ter erro. A rua Na Porici tem vários hotéis excelentes e bem localizados (perto do centro histórico, da estação de trem, do metrô). Ficamos no Hotel Century Old Town Prague — leia o review completo aqui. A localização é ótima, mas a hospedagem no bairro judeu também é interessante pois fica no meio do caminho entre o centro histórico e a Charles bridge, além de já ser uma atração devido às sinagogas lá localizadas.

Onde comer: não deixe de experimentar a tradicional guloseima Trdelník, uma espécie de pão assado em forma de rolo, coberto com açúcar. Uma delícia.

Ristorante La Scala  – esse restaurante simpático com mesinhas do lado de fora, fica aos pés da Igreja de Nossa Senhora, na lateral dela. Servem desde pizza e saladas até o tradicional goulash tcheco. Atendentes simpáticos e preço bom.

Staromestská Restaurace, na praça principal (Staromestskée Námestí). É fácil achar e mais fácil ainda voltar pois a comida é muito boa, o cardápio está traduzido em vários idiomas, os atendentes falam inglês e o preço por pessoa é em torno de 18 euros.

pilsner urquell (Small)

siga no instagram 2

restaurante na praça em Praga (Small)

Depois de passar 24 dias no Leste Europeu conhecendo sete cidades em quatro países resolvi então transformar o velho brocardo romano: todos os caminhos levam a … Praga! Se tiver oportunidade de ir não a perca. Vai valer cada segundo!

Se quiser mais dicas do Leste Europeu, leia nossos posts sobre Budapeste, Bratislava, Cesky Krumlov, Viena, Innsbruck e Salzburg.

0 comments on “Todos os caminhos levam a …Praga!

2 Pings/Trackbacks for "Todos os caminhos levam a …Praga!"

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *